As consequências do frio

As consequências do frio

Um terço dos atendimentos médicos efetuados no Pronto Atendimento Municipal são pediátricos

Joyce Noronha

Nesta mesma época do ano passado, a mãe de Wanderson precisou de auxílio médico para o filho (Rafael Dias/A Razão)

Nesta mesma época do ano passado, a mãe de Wanderson precisou de auxílio médico para o filho (Rafael Dias/A Razão)

O outono inicia oficialmente hoje, dia 20 de março, mas o frio já se mostra há alguma semanas. Com as baixas temperaturas as doenças respiratórias começam a aparecer com mais frequência. Desde a semana passada o Pronto Atendimento Municipal (PA), no bairro Patronato, já percebe maior movimento de pessoas com tosse e asma. As crianças ocupam mais de um terço dos atendimentos efetuados. Conforme a pediatra Rosangela Marranarco Lovato, na segunda-feira, 18, as salas de espera estavam lotada “Eu sai daqui às 19h e ainda restavam umas cem fichas para atender”, conta a doutora. A pediatra ainda informa que nos dias de chuva a procura por cuidados médicos é menor, talvez seja pelo cuidado dos pais em não expor mais os filhos. Porém, Pâmela Barcelos, 30 anos, levou na tarde chuvosa de ontem, o pequeno Wanderson Pietro, de um ano e um mês, para receber três séries de nebulização, com intervalos de dez minutos.

A doutora Rosangela garante que as crianças sentem mais as complicações deste início de estação. A mãe de Wanderson relatou que nesta mesma época no ano passado o garoto foi internado com pneumonia, e mesmo sem diagnóstico de doença respiratória, o caçula de sete irmãos precisa de atenção médica com a chegada do frio. “À noite piora. Muito chiado no peito. Fica até difícil para ele dormir”, revela Pâmela. Outra indisposição do inverno são os surtos de gripe. Os postos de saúde preparam-se para as campanhas de prevenção e vacinação do vírus comum e da Influenza A, já no Pronto Atendimento não é possível receber a vacina. “Nós só tratamos os sintomas”, comunica Rosangela, que também está à espera do material de divulgação para combater a doença.

Influenza

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) promove amanhã, dia 21, em Porto Alegre, por meio do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) o Seminário Estadual de Influenza, sobre a situação epidemiológica e as estratégias de enfrentamento da gripe no Rio Grande do Sul. O encontro é voltado para profissionais de saúde, entidades de classe, prefeitos e secretários. As palestras serão com especialistas da SES, Laboratório Central do Estado, Ministério da Saúde, Sociedade Rio-grandense de Infectologia, Sociedade Brasileira de Imunização e representantes da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). O seminário será no Hotel Embaixador (Rua Jerônimo Coelho, 354, Centro). Não há necessidade de inscrição prévia ou taxa de adesão. O cadastramento abre às 8h e a abertura oficial às 9h. A programação completa está no site. Mais informações pelo telefone (51) 3901.1168.

Vacinação

A campanha nacional de vacinação, que este ano ocorre entre 15 a 26 de abril, está entre os tópicos a serem discutidos no seminário. O estado deve receber cerca de 3,1 milhões de doses destinadas aos grupos prioritários, como gestantes, pessoas a partir de 60 anos, pacientes com indicação médica e crianças entre seis meses e dois anos de vida.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal A Razão; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


8 + = 14

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>