Aguarde...
ENVIAR POR E-MAIL

COLUNISTAS

Vida simples, vida leve!

Jorge Brandão

por Jorge Brandão em 11/01/2017

Compartilhar:

Mais opções

Estamos vivendo em uma sociedade em que qualidade de vida é vista como sinônimo de alto padrão econômico, independentemente do estrago que isto possa causar nas relações afetivas e na saúde de cada um.

Uma sociedade em crise, onde o ter esta disparado na frente do ser, em que existem muitas pessoas tão pobres que a única coisa que acreditam possuir é o “seu” dinheiro. Como ser simples em uma sociedade tão materialista e competitiva em que precisamos também das coisas materiais?

Ser simples vai muito além das questões materiais, é uma busca constante de equilíbrio dos valores. Ser simples não é ser simplório com carência econômica , é um estado de espírito que carregamos em nosso íntimo, é simplificar a vida, se conectar com os nossos desejos essenciais. É ter uma vida exterior sem exageros e uma vida interior rica em valores elevados.

Ser simples é valorizar cada conquista, é ter gratidão a tudo o que a vida nos dá diariamente, a nossa saúde e as pessoas que convivem conosco e nos fazem crescer. Ser simples é levar uma vida digna de acordo com as nossas reais necessidades, dando sempre o melhor de nós. Uma vida em que buscamos o recurso suficiente para o nosso bem estar, para prover o futuro e poder auxiliar aqueles que necessitam.

Ser simples é deixar para o mundo filhos conscientes, que desejem para suas vidas muito mais que produtos com tecnologia de ponta, mas que tenham também como projeto de vida a sua intelecto moral , filhos que não vejam como sinônimo de se divertir, simplesmente consumir.

Pois como diz o filósofo Mario Sérgio Cortella. “O mundo que deixaremos para os nossos filhos depende dos filhos que deixaremos para o mundo.”

Busquemos ardentemente a simplicidade que nos traz a paz de espírito, amiga íntima da sabedoria e da felicidade, sem perdermos os nossos valores essenciais, equilibrando o ter e o ser para que ao possuirmos as coisas passageiras deste mundo não nos deixemos ser possuídos por elas.

*Colaborações assinadas não necessariamente manifestam a opinião do jornal A Razão

Jorge Brandão

Comentários

Participe enviando seu comentário sobre a notícia